Valdeck Almeida de Jesus
O poeta da verdade!
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário Textos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks


O que é poema e o que é poesia??

A CRIAÇÃO POÉTICA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O TEXTO POÉTICO*

Marcel Franco (Letras/UEPA)

1. POEMA VERSUS POESIA

É bom destacar a diferença entre poema e poesia. Apesar de serem tratadas por muitos como sinônimos, o uso dos dois termos entre os estudiosos apresenta diferenças, a saber:

1.1 Poesia: Caráter do que emociona, toca a sensibilidade. Sugerir emoções por meio de uma linguagem. (FERREIRA, 1993)

1.2 Poema: Obra em verso em que há poesia.

Se o poema é um objeto empírico e se a poesia é uma substância imaterial, é que o primeiro tem uma existência concreta e a segunda não. Ou seja: o poema, depois de criado, existe per si, em si mesmo, ao alcance de qualquer leitor, mas a poesia só existe em outro ser: primariamente, naqueles onde ela se encrava e se manifesta de modo originário, oferecendo-se à percepção objetiva de qualquer indivíduo; secundariamente, no espírito do indivíduo que a capta desses seres e tenta (ou não) objetivá-la num poema; terciariamente, no próprio poema resultante desse trabalho objetivador do indivíduo-poeta. (LYRA, 1986)

O poema destaca-se imediatamente pelo modo como se dispõe na página. Cada verso tem um ritmo específico e ocupa uma linha. O conjunto de versos forma uma estrofe e a rima pode surgir no interior dessa estrofe. A organização do poema em versos pode ser considerada o traço distintivo mais claro entre o poema e a prosa (que é escrita em linhas contínuas, ininterruptas).

No Cruz e Sousa das obras iniciais, há esse poema, considerado um marco do Simbolismo no Brasil, no qual o autor se vale das figuras de linguagens (aliteração, sinestesia), que revela, então o uso da poesia, tão eloqüente no quarteto:

Vozes veladas, veludosas vozes,
volúpias dos violões, vozes veladas,
vagam nos velhos vórtices velozes
dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas.

2. TIPOS DE POEMAS

Os poetas têm escrito poemas de vários tipos. Dois deles, entretanto, são considerados os principais: o poema lírico e o poema narrativo. Alguns críticos e ensaístas acrescentam, como um terceiro tipo, o poema dramático.

2.1 Poema lírico: É geralmente curto. Muitos carregam grande musicalidade: ritmo e rima às vezes os fazem parecer canções. No poema lírico o autor expressa sua reação pessoal ante as coisas que vê, ouve, pensa e sente. Alguns teóricos incluem nesse tipo de poesia o poema satírico. Para conhecer os vários tipos de poesia lírica, veja BALADA; CANÇÃO; ELEGIA; HINO; IDÍLIO; ODE; SONETO.

2.2 Poema narrativo: Conta uma história e geralmente é mais extenso que os outros. O poeta apresenta os ambientes, os personagens e os acontecimentos e lhes dá uma significação. Um exemplo de poema narrativo é Os Lusíadas, de Luís de Camões. As epopéias e as baladas estão entre os principais tipos de poesia narrativa. Costumamos pensar que as fábulas são trabalhos em prosa, mas muitas delas foram escritas originariamente como poemas narrativos. Para maiores informações sobre essas formas poéticas, veja: BALADA; EPOPÉIA; FÁBULA.

2.3 Poema dramático: Assemelha-se ao poema narrativo porque também conta uma história e é relativamente longo. Mas, no poema dramático, essa história é contada através das falas dos personagens. As peças de teatro escritas em verso constituem forma de poesia dramática. Em sentido amplo, também pode ser considerado um exemplo o "Caso do Vestido", de Carlos Drumonnd de Andrade. Através de uma suposta conversa entre mãe e filhas, o leitor acompanha uma história de amor e traição e tem os elementos para reconstituir o caráter e os sentimentos dos personagens principais.

3. AS TRÊS GRANDES VERTENTES DA CRIAÇÃO POÉTICA

Deve-se ter em mente é que o aspecto fundamental da criação poética está relacionado à antologia de toda obra literária, que é uma obra de arte assentada na representação de uma realidade, seja de natureza interior ou exterior. Entretanto, a forma com é feita essa representação ou o próprio ato criativo tem sido teorizado sob enfoques diferentes e que podem ser alinhadas em três grandes vertentes:

3.1 Teoria Mimética: da Antiguidade até a 1ª metade do século XVIII;
3.2 Teoria Expressiva: da 2ª metade do século XVIII até o século XIX;
3.3 Teoria Intelectualista: do século XIX ao século XX.

TEORIA MIMÉTICA: “Um espelho para a natureza”

Para Platão a palavra “mimesis” e as múltiplas gradações de sentido configuram, no livro X da “República”, como um ato de divertimento em que se reproduz a aparência e não a verdade profunda dos seres e das coisas. Para ele o pintor, o escultor e o poeta estão afastados de 3 degraus da verdade e qualquer um deles é o terceiro poietes, pos:

1º: Deus: que cria a ideia
2º: Artífice: que fabrica um objeto segundo essa ideia
3º: Artista: que representa esse objeto ----------> poietes

Segundo Aristóteles, em “Poética”, na gênese da poética, encontra-se a tendência da imitação, fato congênita nos homens. Para ele, arte é mimeses, no entanto, cada arte dispõe, para imitar, de meios, objetos e maneiras que lhe são peculiares.

TEORIA EXPRESSIVA: “Revelação do interior do poeta”

A partir da segunda metade do século 18 a teoria mimética entra em declínio, quando é negado o caráter imitativo de todas as artes. Isso se deve ao Lord Henry James na obra “Elements of Cristicis” (1762) que subdividiu as artes em imitativas por naturezas (pintura e escultura), não imitativas (música e arquitetura) e de condição híbrida (poesia, quando a linguagem poética imita som e movimento, como o teatro).

Nesse momento literário, eleva-se a personalidade do artista no ato criador e, com isso, a atenção desloca-se do objeto (obra de arte) para o sujeito que cria (poeta). O ideário poético deixa de se constituir na imitação da natureza para transforma-se na expressão dos sentimentos, dos desejos, das aspirações do poeta.

Na teoria expressiva o poema deixa de ser reflexo do real objetivo para tornar-se uma revelação da interioridade do poeta, isto é, não é mais um espelho da natureza, mas uma segunda natureza.

É nesse período de “Sturn und Drang” (“tempestade e ímpeto”) que se revela o poeta possesso, inspirado, vidente, aquele que conhece o lado oculto das coisas e dos seres, que desposa o mistério, penetra no absoluto e reinventa a realidade e o ato criador defini-se pela sua liberdade e pela sua rebeldia perante os modelos da realidade diante da qual o escritor é soberano.

TEORIA INTELECTUALISTA: “O reflexo da inteligência e fruto do trabalho”

O poeta é um fingidor
Finge tão completamente
Que chega a fingir
Que é dor
A dor que deveras sente

O fingimento poético de Fernando Pessoa, que se contrapõe ao confessionalismo dos românticos e, em suma, é a essência da teoria intelectualista, que almeja explicar o ato criador. Nesse momento o poeta recusa o que pode degradar a consciência, dizendo que “O entusiasmo não é um estado da alma do escritor [...] Escrever deve se construir, a mais sólida e exatamente que se possa, essa máquina de linguagem.”

Carlos Drummond, João Cabral, Andre Gide, T. S. Eliot exprimem esta poética da lucidez e do difícil rigor em muitos dos seus poemas, por meio da concepção intelectualista do ato criador. Notadamente, o poeta deste período, nominado, então, de artífice, é um arquiteto do poema e sua inspiração é movida muito pela objetividade, pelos problemas sociais, existenciais do homem e do meio em que vive.

4. REFERÊNCIAS

AUERBACH, Eric. Mimeses. São Paulo: Perspectiva, 1976

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Minidicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

LYRA, Pedro. Conceito de Poesia. São Paulo: Ática, 1986.

SILVA, Vitor Manuel Aguiar e. Teoria Literária. 2. Ed. Coimbra: Almedina, 1968

WILLEMART, Philippe. Universo da Criação Literária. São Paulo: Edusp, 1999

_________
* Palestra ministrada pelo escritor paraense e acadêmico de Letras (UEPA), Marcel Franco, durante a Semana do Calouro da UEPA / 2009, no dia 10.02.2008, na sala 01, do Castelinho (CCSE/UEPA)

Fonte: Portal Literal
Valdeck Almeida de Jesus
Enviado por Valdeck Almeida de Jesus em 10/05/2009
Alterado em 10/05/2009


Comentários