Valdeck Almeida de Jesus
O poeta da verdade!
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário Textos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks


Teatro: Filhos do Kaos em nova temporada

O espetáculo é adaptado da obra de Jorge Mautner

 
Arte com função social; fusão de linguagens; teatro físico. O novo espetáculo do diretor baiano Fabio Viana, "Uma temporada no Paraíso", está em cartaz até o dia 12 de fevereiro, aos sábados e domingos, na Sala do Coro do Teatro Castro Alves, com propósitos nobres e muita vontade de transformar. A peça valoriza o ator em cena em interpretações vigorosas, integra diferentes técnicas artísticas (vídeo, dança, música, circo e teatro), quer romper preconceitos, formar platéia e tem ampliado o acesso da população de baixa renda ao universo da arte por meio de ensaios abertos realizados na periferia. O espetáculo é uma adaptação para o teatro da obra literária “Mitologia do Kaos – Obras Completas”, compilação dos principais escritos do cantor, compositor e escritor carioca Jorge Mautner, publicada em 2002 pela Editora Azougue.
 
A peça encerra ainda a chamada “Trilogia do Kaos” – seqüência de peças apresentadas pelo diretor desde 2006 com inspiração nas idéias libertárias de Mautner. Viana afirma que sua principal intenção é aproximar o público local, sobretudo os jovens, de um pensamento de vanguarda. “Mautner é uma espécie de profeta; é uma antena transmissora que capta, filosofa, transmite e propõe mudanças de comportamento. Ele defende a necessidade de resgatarmos a pureza do amor e do contato humano, a troca, enfim, o compartilhar com carinho, num mundo dominado pela técnica. Para ele, a arte e a cultura têm papel fundamental neste sentido, pois são ferramentas revolucionárias”, explica o diretor. O escritor, que conhece a dedicação de Fabio Viana ao estudo da sua obra, confirmou presença durante a temporada.
 
O elenco é composto por 22 jovens atores de 16 a 30 anos que integram o Bando de Teatro Sem Nome, criado há três anos. O trabalho conta ainda com a participação especial dos jovens percussionistas do Ibeji Mirim (projeto de arte-educação desenvolvido no Subúrbio Ferroviário) e da artista circense Luanna Lima, integrante da companhia Trupe Niquin. A artista, que trabalha há cinco anos com circo, apresenta acrobacias aéreas. Outra participação de destaque é a do músico e ator Afonso Penna, da banda de pop-rock-funk Ekléticos Anônimos, na interpretação ao violão de clássicos de Mautner, como Maracatu Atômico, O Vampiro e Coisa Assassina. Imagens feitas pelo videomaker Silvio Almeida também serão projetadas durante a apresentação. 
 
Mostra apresentada em 2008
Na noite da estréia, acontece ainda no Goethe-Institut a abertura da exposição “Corpos do Kaos”, da designer e fotógrafa Solange Rossini. Serão expostas imagens em cores que revelam o making of de Mitologia do Kaos – O Juízo Final. A fotógrafa registrou diferentes fases do trabalho: desde as reuniões iniciais de concepção até os últimos ensaios abertos realizados em Plataforma, subúrbio ferroviário. No total, serão exibidas 20 imagens em material impresso e 400 em meio multimídia – monitores de vídeo apresentarão seqüências ininterruptas de fotografias em slide-show. A exposição permanece aberta ao público até 25.08 de segunda a sexta das 9h às 18h; aos sábados, das 9h às 13h e no horário de apresentação da peça (sextas e sábados, 20h).
 
Fábio Viana
Natural de Salvador, 34 anos, é diretor teatral, arte-educador e filósofo. Concebeu e realizou o projeto Cultura e Cidadania da Paz que, com o apoio da Prefeitura Municipal e Governo do Estado, promoveu uma série de oficinas de arte e formação cidadã no bairro Arenoso direcionadas ao público jovem. O projeto resultou na criação da Cia. Anjos do Arenoso. Sob sua direção, a companhia desenvolveu três espetáculos cênico-musicais: Anjos do Arenoso (2004), Tribos Urbanas (2005) e Pivete Rei (2006). No ano passado, apresentou com sucesso Filhos do Kaos, espetáculo que em conjunto com o antecessor Pivete Rei e o atual Mitologia do Kaos – O Juízo Final, compõe a série denominada por ele próprio como “Trilogia do Kaos”. Dirigiu ainda, O Boca do Inferno (1997), Usina de Sonhos (2001) e Candomblack (2002).
 
Ficha Técnica:
Direção e Adaptação: Fabio Viana
Com Bando de Teatro Sem Nome
 
Serviço:
O paraíso na obra de Jorge Mautner
 
Temporada: até 12 de fevereiro – sábados e domingos às 20 horas
Onde: Sala do Coro do Teatro Castro Alves
Ingresso: R$10 (inteira); R$5 (meia - para estudantes)
 
Contatos: 8602 0604 e 9634 8728
Valdeck Almeida de Jesus
Enviado por Valdeck Almeida de Jesus em 30/07/2008
Alterado em 03/02/2012


Comentários